[vídeo] BONE RING — A fabulosa Técnica de Enxerto Ósseo.

Bone Ring ganha mais adeptos no Brasil

Criada e difundida por Bernhard Giesenhagen, a técnica de enxertia óssea Bone Ring tem apresentado resultados promissores, sobretudo no aumento vertical do rebordo alveolar e também na solução de alguns casos complexos. A técnica consiste na remoção de um anel de bloco ósseo autógeno, geralmente removido do mento, que é inserido e fixado no leito receptor com a ajuda de implantes.

Em quais casos o Bone Ring apresenta melhores resultados?
A técnica Bone Ring é muito útil em casos de necessidade de aumento vertical de rebordo alveolar. Em especial naqueles casos que são grandes desafios para a Implantodontia, como a região posterior de mandíbula e os defeitos de duas paredes em elementos isolados.
Existem duas vantagens principais nessa técnica em relação às outras de aumento ósseo vertical : a primeira é a instalação do implante concomitante ao enxerto, o que permite diminuição do tempo de reabilitação e maior estímulo à aposição óssea; a segunda é o maior contato direto entre enxerto e leito receptor, por causa do preparo que é feito com as trefinas que se correspondem.

Em que consiste a técnica? Há algum cuidado específico que o profissional precisa ter?
A técnica consiste na remoção de um bloco circular (anel) de osso da região doadora (que pode ser o mento, palato ou região retromolar), com o auxílio de trefinas que possuem marcações de comprimento e aumentam de tamanho progressivamente (de 1 mm em 1 mm), de forma que a menor se fique justaposta na subsequente de maior diâmetro. Isso é de grande valia, pois se faz um preparo no leito receptor com a trefina menor, de forma a permitir o mesmo encaixe justaposto para o bloco, pois o mesmo foi removido com a trefina subsequente de maior diâmetro.
Na osteotomia, para remoção do anel ósseo, também se faz o preparo para a recepção do implante. Dessa forma, após a remoção do anel ósseo, termina-se a instrumentação do implante no leito receptor. Com isso, se permite a instalação do enxerto com o implante como meio de retenção para o bloco ósseo, além do mesmo encaixar no preparo feito no leito receptor de forma a ter contato ósseo basal e lateral.

Possui alguma desvantagem?
A principal desvantagem dessa técnica decorra da falta de qualidade de gengiva normalmente presente nesses defeitos, o que aumenta consideravelmente o risco de deiscência de sutura e exposição do enxerto, pois os aumentos verticais dessa técnica costumam ser generosos. Nesse caso, além da perda do enxerto, teria-se também a perda do implante instalado.

FONTE:  IMPLANTS NEWS – Professor Doutor Flávio Nader

Compartilhe no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*